quarta-feira, 8 de abril de 2015

Organização Financeira

Hoje vou compartilhar com vocês algo que tem feito muita diferença na minha vida financeira: a organização. Isso porque euzinha aqui não tive qualquer educação financeira ao longo da vida. Tinha o (péssimo) hábito de gastar TUDO o que ganhava, muitas vezes mesmo antes de ganhar (um viva aos cartões de crédito que nos permitem isso). Acontece que já há 12 anos sou autônoma, ou seja, não tenho salário fixo no final do mês.

Acontece que tendo clientes fixos, acreditava que nos final do mês teria determinado valor em conta. Acontece que nem todo mundo é tão fiel assim aos compromissos. Combinamos um valor, na hora de pagar chora ou atrasa, quando não te dá calote. Pois é, esta é a vida de um profissional autônomo.

Para lidar bem com o dinheiro, o autônomo precisa ser rigoroso no seu controle financeiro. Agora imagina isso, numa pessoa que nunca soube controlar o seu dinheiro? Sempre gastou contando com "o ovo da galinha". E quando a galinha não botava o ovo? E quando o cliente, que até então foi correto contigo, resolve te atrasar o valor combinado em quatro meses?

Foi isso o que aconteceu comigo há alguns anos. Um dos meus principais clientes atrasou pagamento por quatro meses. Nesse período, não parei de trabalhar para ele, mas enfrentei um grande desafio: como pagar as contas, especialmente as dos cartões de crédito, se não havia recebido. Por causa desses quatro meses, me enrolei financeiramente por anos. A enrolação principal foi porque queria negociar com o cartão de crédito, mas a negociação que eles me ofereciam era inviável.

Então deixei rolar, ignorando a dívida. A ideia era esperar caducar. Acontece que eu não dormia mais pensando nisso. Gente, quando compro produtos da Avon não abro a embalagem enquanto não pago a vendedora. Imagina como fiquei atordoada por causa do cartão? 

Um ano após deixar de ser autônoma para ser funcionária, decidi pegar um empréstimo no banco para pagar à vista o valor do cartão - que a essa altura continha juros abusivos. Foi a melhor decisão, porque a taxa do banco era infinitamente mais baixa do que a da administradora de crédito.

Só que, logo que fiz o tal empréstimo, houve demissão em massa e fui nessa leva. Como mantive paralelamente alguns clientes, consegui levar com muita dificuldade a situação. Só há poucos meses quitei o empréstimo com o banco. Vi essa quitação como algemas que se quebram: liberdade.

Com uma página financeira em branco, recomecei o trabalho árduo de me educar financeiramente. Tentei colocar cada gasto no papel, mas confesso que não sou boa nisso. Foi quando decidi concentrar todos os meus gastos num único lugar: o amigo cartão de crédito. Deixei de usar o débito, por me perder no controle. O resultado é que esta decisão deu muito certo.

Como não anoto os gastos, entro na página do banco a qualquer momento para conferir a minha fatura. Sei quando posso gastar e controlo assim. Mesmo valores mínimos, como $ 5,00, vão para o cc se o comércio aceitar. Antes eu gastava o mesmo montante que hoje no crédito e ainda usava o débito indiscriminadamente, logo, não sabia para onde escorria o meu dinheiro.

Para mim, o cartão de crédito é um grande aliado. Mas, também, estou muito mais controlada do que antes para gastar. Sempre antes de comprar algo, me pergunto se realmente preciso daquilo. Este ano, por exemplo, ainda não comprei nenhuma peça de roupa ou calçado para mim. Tenho conseguido essa vitória usando apenas essas duas palavras: quero ou preciso? Com isso tenho entendido a minha real necessidade das coisas.

Para minha alegria, o método tem dado certo. Hoje tenho contas mensais maiores do que há alguns meses e ainda assim consigo jogar um valor mensal na poupança - que não é lá essas coisas, mas que já me deixa com um sorriso de orelha à orelha. Gente, esqueci de contar que é a primeira poupança que consigo fazer e a tenho encarado como uma conta mensal. Se eu fizesse planilha de gastos, a poupança estaria lá como estaria a conta de luz, por exemplo. Ah, além de tudo isso... ainda tem sobrado um troquinho na conta corrente no final do mês. 

Para mim é o que está dando certo; depois de tentar anotar todos os gastos em caderneta e baixar aplicativos no celular, a utilização quase que 100% do cc é o quero/preciso, têm sido uma arma poderosa.

E você, como faz para controlar seus gastos?


 Fláva

Um comentário:

  1. Minha querida, confesso que sou mto gastadeira. ja tentei de td pra me organizar e não consigo... =(

    ResponderExcluir

Seu comentário é super importante para mim. Conto com você me dizendo o que achou desta postagem. Gratidão.