segunda-feira, 25 de junho de 2012

Comidinhas típicas

   Ahhh, às vezes fico ansiosa esperando algumas épocas do ano só para comer as comidinhas típicas de cada período. Esse agora, por exemplo, foi esperado com com todas as minhas forças só por causa de pratinhos como sopas e canjica. Eu sei que posso fazer (ou comprar) alguns desses pratos e produtos e qualquer época, mas sou tradicional e prefiro esperar. 

     A canjica mesmo, comprei o milho em maio e não dava tempo para fazer, acredita? Essa semana consegui. Tudo bem que o milho acabou ficando de molho uma noite inteirinha e um dia quase todo antes de ir para a panela, isso também por causa da falta de tempo. Mas o que importa é que deu certo e me deliciei com duas taças à uma hora da manhã (hora que ficou pronta).

      Eu sei, fiz tudo errado. Afinal, canjica por si só já engorda e ainda esse horário! O negócio é que parei na segunda taça porque sabia que já tinha extrapolado todos os limites do bom senso. Mas que queria mais, ah, isso queria. Optei para deixar para a noite seguinte (leve em conta que saio de casa antes das 7h00 e quando consigo chegar cedo, volto às 18h00). Então terei que comer a noite mesmo e dane-se as calorias!


    E o caldo verde? Ah, como eu gosto. No aniversário das crianças do ano passado, a pizza e a sopa foram os pratos principais da festa. Mostrei aqui. Na semana passada promovemos um almoço entre colegas de trabalho, no qual o prato foi a deliciosa sopa. Não contente, dois dias depois fiz o caldo (bem grosso) em casa. Tem coisas que não canso de comer, fazer o quê???


Foto da Internet, esqueci de fotografar o meu :o(

    Também fico assim em outras épocas, como o Natal, com os panetones (que consumo  pelo tempo em que permanecem nas prateleiras dos supermercados). Já na Páscoa não fico assim. Pelo menos isso, né?

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Mais um parabéns

     Junho começou com tudo por aqui. Para variar, eu ansiosa por conta dos aniversários que rolaram aqui em casa dias 8 e 9. Primeiro, as meninas e em seguida eu e o Caio. Isso porque meu RECUSO a falar sobre o inferno astral, vou ignorar a sua existência (ou tentativa de me derrubar) nessa época.

     Voltando ao que realmente vale a pena. Fui em quem organizou e preparou sozinha a festa das crianças. Sozinha entre aspas, porque contei com algumas ajudas, como a da minha mãe (que fez os salgados) e a do maridão, que fez toda a arte personalizada e me ajudou com a arrumação do salão, deixando-o do jeitinho que eu imaginei. Mas, PRECISO agradecer a algumas outras pessoas que também foram fantásticas nesse processo: a minha vizinha Marina, que nos ajudou com as bexigas; meu pai, irmãos e cunhada, que também colaboraram com a arrumação; minha amiga Patrícia que deu um duro nos orçamentos; e as minhas colegas de trabalho, Valéria e Fernanda - que aguentaram toda a minha ansiedade 30 dias antes do evento.

     Bom, o evento em questão foi uma festinha para comemorar ao lado da família e alguns poucos amigos. Fizemos no salão de festas do prédio mesmo, onde colocamos uns brinquedos locados e ainda deixamos um bom espaço para os pequenos correr.
Como a festa foi para três crianças de sexo e idade de diferentes, o tema tem que ser meio neutro. Esse ano optei pela festa neon. Baseada na festinha que Rafaela Farjado, do blog Casa Montada, fez para o seu filhote no ano passado. Veja aqui.

     O sucesso da festa ficou por conta da luz negra e das muitas luminárias espalhadas, mas nem pensem em baladinha. Por mais que o grandão quisesse (e está na moda), acho que ele ainda não está na idade dessas coisas. Completou 10 anos, ainda é criança e vou me esforçar ao máximo para que aproveite como criança o pouco tempo que ainda tem nesta denominação. Ok, tem gente aí lendo e pensando que com 10 ele já é um pré-adolescente. Eu acho que isso é uma forma das pessoas acelerarem um pouco mais as coisas na vida dos pequenos. É tão bom ser criança, então para quê essa pressa para que cresçam??? Deixem aproveitar!!!

     Voltando à festinha, fiquei contentíssima com o resultado final de tudo. Os salgados estavam deliciosos, os bolos ficaram do jeitinho que pedi, a decoração recebeu muitos elogios e as companhias foram melhores ainda. Ah, NECESSÁRIO mencionar que as crianças curtiram demais, né?

     Vejam as, me digam o que acharam e comentem. Quer ver a imagem maior? Clique na foto.






  

terça-feira, 12 de junho de 2012

Surpresa

Estou tão feliz!!! Completei 3.5 num total alto astral. Dia 9 de junho foi meu aniversário e um dia cheio de alegria e a felicidade continuou. Isso porque ontem, dia 11, chegou pelo carteiro uma cartinha pra mim. Sim, CORREIOS. E nem foi conta, cobrança ou propaganda. Foi carta de uma amiga. Imagina, carta selada em época de e-mail? Tudo de bom.
Quando ela disse, por bate papo na Internet, que havia me enviada a carta, logo questionei porque não um email. E a bonita simplesmente respondeu que bateu saudade dos velhos tempos. Pois é, estou com TRINTAECINCOANOS  e sou do tempo da carta selada.
Eu e Nara nos conhecemos ainda meninas, numa viagem que fiz para Goiás. Fui parar na cidadezinha dela, Jaraguá. Um lugar pequenino demais (desses que você cochicha num canto da cidade e o indivíduo do outro lado ouve seu sussurro), mas que marcou meu coração.
Eu dizia para a vó dela que quando tivesse filhos iria morar em Jaraguá, uma terra onde as crianças ainda podem brincar na rua. Mas meu filho, meu primeiro, só foi para lá quando estava na minha barriga. Pessoalmente ainda não conhece essa terra que aprendi a amar.
Mesmo depois de casada e com três filhos, pensei em ir para lá. Mas não acho que seria fácil sair da minha praia para morar no mato. Também me preocupa a questão financeira, não sei se no interior de Goiás pagam para um jornalista o mesmo que pagam no litoral de São Paulo. Não é que pagam bem, porque o piso salarial de um profissional da imprensa é baixo e se é baixo aqui, às margens da capital financeira do País, imagina lá???
Bom, voltando à minha amiga. Por anos eu e a Nara trocamos cartas semanais. E se não fosse pouco, também nos falávamos semanalmente ao telefone. Mas depois que casamos e tivemos filhos, a vida ficou mais atarefada e acabamos falhando nessa troca. Apesar de tudo, a amizade não diminuiu, nem o carinho e o respeito que temos uma pela outra.
Num cartão lindo, ela me escreveu (à mão, com caneta bic) a letra da música Impossível de Esquecer (clica aí para ler a letra e ouvir a música), de Fernanda Brum e Eyshila. Linda, claro que emocionei.



Aliás, outra grande amiga me enviou essa música pelo FB há alguns meses. A Rozana é amiga e infância, infância mesmo. Nos conhecemos quando eu tinha 8 anos e grudamos uma na outra. Hoje ela mora em Taubaté e mesmo distante fisicamente, nossos corações e histórias estarão unidos para sempre.
Agradeço a Deus pelas pessoas que tem colocado em meu caminho e minha vida ao longo dos anos, especialmente pelas amigas-irmãs com que me presentou. Não apenas pelas duas citadas, pois existem outras que sei que estarão comigo onde quer que eu vá: Clarissa, Roberta e Caju, são algumas das mais antigas. Mas tem novas garotas ocupando um espaço considerável na minha vida e coração. São as amigas da maturidade (ai que frase de velha!!! -kkk). 
Sinto mesmo que por tudo, sou muito abençoada e só tenho que agradecer. 

OBRIGADA SENHOR, não ganhei irmãs de sangue para brincar de boneca e trocar confidências, mas fui abençoada com as melhores amigas do mundo.

Ah, e antes que eu me esqueça...

E um mega Feliz Aniversário para o meu irmão, Fábio. Parabéns!!!

terça-feira, 5 de junho de 2012

Junho, mês de festa

Para minha casa junho é um mês de muitas comemorações. Só debaixo do meu teto são quatro aniversários. Dia 8 minhas meninas completam 4 aninhos e dia 9 é a nossa vez, Caio e eu. Meu príncipe já vai fazer 10 anos. Ahhh, passa TÃO rápido!

Bom, o negócio é que estou ansiosíssima com isso. Há semanas estou com a cabeça voltada para a festinha dos minis. Gosto muito de planejar cada detalhe e de colocar a mão na massa no que posso. Comemoraremos no salão do prédio e estou correndo atrás de tudo: da decoração às lembrancinhas, passando pelas comidinhas e iluminação. Um pouco de bossa e muito amor em cada detalhe, pois é isso que faz toda diferença.

Mas, nesse período de muita pesquisa na net,  inclusive para festinha na escola, me deparei com imagens e ideias que me encantaram. E essa inovação - pelo menos para mim - encontrei na loja virtual Canto do Encanto Lembranças, de propriedade da queridíssima Lia Flávia, um kit para comemoração em sala de aula que achei show!!!

A Lia é minha conterrânea, além de santista, linda, talentosa e mãe de dois lindos príncipes: o Henrique, que é pouquinho meses mais novo que as minhas meninas e o Miguelzinho, que está na barriga da mamãe artista.

Os kits feitos por ela são super simples, mas a ideia é fantástica e a personalização faz toda a diferença. Vejam se ela não está de parabéns!!!







Mais fotos aqui e aqui

Imagens: Canto do Encanto Lembranças